(Online) Unrwa-Monitor.com

Image default

Senador Kennedy da Louisana pede responsabilidade nas escolas Palestinas

O senador John Kennedy, da Louisiana, introduziu a Lei de Paz e Tolerância na Educação Palestina para abordar se os alunos palestinos estão aprendendo conteúdo impreciso ou racista sobre Israel e o povo judeu.

“O Oriente Médio nunca experimentará paz até que os palestinos parem de ensinar seus filhos a odiar Israel, e os dólares americanos não devem financiar essa propaganda antijudaica. A Lei de Paz e Tolerância na Educação Palestina nos daria uma visão mais detalhada do que as escolas palestinas estão ensinando e se o dinheiro americano está ou não apoiando o antissemitismo”, disse Kennedy.

A Lei de Paz e Tolerância na Educação Palestina exigiria que o Secretário de Estado apresentasse um relatório dentro de 180 dias, e depois anualmente por dois anos, examinando o currículo que as escolas palestinas estão usando para ensinar os alunos. Os relatórios analisarão se os currículos palestinos encorajam a violência racista contra o povo judeu e se a ajuda externa dos EUA está apoiando esse material.

A revisão também avaliará os passos que a AP toma para reformar os currículos para se adequar aos padrões de “paz e tolerância” adotados pelos Estados Membros da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura” em 1995.

De acordo com o projeto de lei, currículos modificados publicados pela Autoridade Palestina para as séries 1 a 11 “incluem gráficos que retratam a violência contra soldados israelenses, retratos positivos de indivíduos que cometeram ataques contra cidadãos de Israel e referências aos esforços palestinos para atingir os ‘sionistas’ .”

Atualmente, Kennedy observou, os Estados Unidos fornecem financiamento significativo aos palestinos, e esse financiamento pode estar apoiando a propaganda antissemita nos currículos escolares.

O projeto de lei do Senado é um complemento para um apresentado no início deste ano na Câmara dos Representantes dos EUA pelo deputado Brad Sherman (D-Calif.), que ganhou 27 co-patrocinadores. Uma iteração anterior do projeto de lei no último Congresso foi aprovada por unanimidade pelo Comitê de Relações Exteriores da Câmara. A versão da Câmara do projeto foi endossada publicamente pela AIPAC, ADL e Hadassah.

A Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Próximo Oriente, que mantém o status de refugiado dos palestinos, administra escolas em áreas administradas por palestinos e usa o currículo fornecido pela AP. Em 16 de novembro, uma reunião de nações doadoras para a UNRWA foi convocada.

A UNRWA, que tem sido criticada ultimamente por seu currículo escolar e responsabilidade fiscal questionável, administra 59 campos de refugiados para descendentes de refugiados palestinos originais desde 1948. A outra agência da ONU responsável pelos refugiados, o Alto Comissariado, é encarregada de reinstalar todos os outros refugiados ao redor do mundo, em vez de manter seu status quo.

O grupo de vigilância IMPACT-se disse que está trabalhando com legisladores e funcionários do governo Biden para educá-los sobre as tendências do currículo palestino.

“Os Estados Unidos são agora o apoiador mais significativo da UNRWA, tendo recentemente restaurado US$ 318 milhões em ajuda anual – 60% dos quais serão destinados à educação”, disse o CEO da IMPACT-se, Marcus Sheff. “Claramente, essa quantia de financiamento traz consigo uma grande alavancagem, um dever de cuidar das crianças palestinas nas escolas da UNRWA e a responsabilidade de exigir mudanças nos livros didáticos que a UNRWA ensina. Conforme discutimos com a administração, transparência, supervisão e responsabilidade para garantir a conformidade com os padrões internacionais são primordiais”.

De acordo com o Centro Bedein para Pesquisa de Políticas do Próximo Oriente, em Jerusalém, que examina livros didáticos de AP, o currículo ensinado nas escolas da UNRWA “incorpora princípios de Jihad, martírio e ‘direito de retorno’ pela força das armas”, ensinando que o objetivo é a eventual eliminação de Israel.

O embaixador israelense nas Nações Unidas, Gilad Erdan, alertou que a agência ajuda a “perpetuar” o conflito israelo-palestino.

A Organização Sionista da América elogiou Kennedy e Sherman, dizendo: “Nunca haverá um fim para a guerra árabe contra Israel e os judeus até que os árabes palestinos comecem a ensinar seus filhos a valorizar a paz e parem de ensinar violência contra o Estado judeu e seus habitantes. . A organização saúda o senador Kennedy e o deputado Sherman por esta legislação que ajudará a tornar possível o resultado pacífico”.

Ato reafirma a embaixada em Jerusalém

Em 17 de novembro, o deputado republicano da Câmara, Steve Scalise, da Louisiana, assinou o projeto de lei do representante do Tennessee, David Kustoff, que defende a Lei da Embaixada de Jerusalém de 1995 em 2021. A legislação proíbe o uso de fundos governamentais para qualquer instalação diplomática dos EUA em Jerusalém que não seja a Embaixada dos Estados Unidos.

Em 1995, o Congresso aprovou uma legislação pedindo a transferência da Embaixada dos EUA em Israel de Tel Aviv para Jerusalém, já que Israel era o único país onde a embaixada não estava na capital. Enquanto todos os presidentes depois disso atrasaram a implementação da lei, em 2018, o governo Trump finalmente mudou a embaixada e reconheceu Jerusalém como a capital de Israel.

Anteriormente havia um consulado em Jerusalém que lidava com assuntos palestinos, mas esses serviços foram incorporados à embaixada em 2019. O governo Biden vem discutindo a reabertura do consulado como uma instalação separada.

Ramallah, a 10 quilômetros ao norte de Jerusalém, serve como capital da Autoridade Palestina, mas os palestinos insistiram que Jerusalém será a capital de seu futuro Estado.

(Sean Savage do JNS contribuiu para este relatório)

Tradução: Fábio Schuchmann

Related posts

Contornando a UNRWA para ajudar Gaza

David Bedein

Carta para o Secretário Geral da ONU, Sr. António Guterres Por Ana Luisa Benoliel, Fábio Schuchmann e Gabriela Izawa

Center for Near East Policy Research

Novo local de investigações da UNRWA: ´´ Estúdio multilíngue documentado a cultura da UNRWA´´lançado pelo Centro Bedein

Center for Near East Policy Research