AWordPressSite

Image default

Além de Bruxelas, ajudando a UNRWA a criar uma vida melhor para os refugiados palestinos

Tradução: Fábio Schuchmann

Da perspectiva de um profissional de serviço social e organização comunitária, basta dizer que a função de qualquer agência de assistência social para refugiados é ajudar as pessoas
a seguir em frente com suas vidas.

A exceção à regra é a agência de assistência social UNRWA, que determina que 5,3 milhões de descendentes de refugiados palestinos da guerra de 1948 vivam como refugiados perpetuamente, na contínua indignidade de 59 campos de refugiados “temporários”, sob a falsa
promessa do direito de retorno às aldeias que já não existem.
Na verdade, o futuro não estava na agenda da conferência de doadores internacionais da UNRWA em 15 de novembro em Bruxelas, que tratou apenas de arrecadar fundos para manter refugiados palestinos em campos de refugiados.

Durante a essa conferência, o Centro Nahum Bedein para Pesquisas de Políticas do Próximo Oriente, enviou fotógrafos para ter uma ideia da atmosfera atual nos abundantes campos de refugiados da UNRWA de Aida e Deheisha em Belém.

Os fotojornalistas voltaram com 915 fotos de murais enormes que cobrem as cercas das instalações dos campos, todos retratando um tema: guerra contra os judeus para libertar aldeias palestinas perdidas – e pela força das armas e da violência.

Esses murais em instalações temporárias da UNRWA serão o tema de uma exposição de fotos online, que será exibida no site https://ipx.938.myftpupload.com/

Tudo isso levanta a questão: para onde vai a UNRWA a partir daqui?

Aqui estão cinco sugestões de políticas que deveriam estar na agenda da próxima Conferência de Doadores da UNRWA, com um propósito em mente: ajudar 5,3 milhões de descendentes de refugiados da guerra de 1948 a continuar com suas vidas, em vez de viver uma vida de refugiado para sempre.

  1. Cancelar o novo currículo de incitamento ao ódio e a guerra da UNRWA – baseado na Jihad, no martírio e no “direito de retorno pela força das armas e da violência”, que não têm lugar na educação da ONU – cujo tema é “A paz começa aqui”.
  2. Desarmar as escolas da UNRWA e cessar o treinamento paramilitar em todas as instalações da agência. É um absurdo que a UNRWA, uma agência da ONU com um suposto compromisso com a “educação para a paz”, permita o treinamento de armas e o disparo de foguetes de suas instalações.
  3. Insistir para que a UNRWA demita funcionários afiliados ao Hamas e outros grupos terroristas, de acordo com as
    leis das nações doadoras que proíbem a ajuda a qualquer agência que emprega membros de uma organização terrorista .
  4. Introduzir os padrões do ACNUR para promover o reassentamento de refugiados de quarta e quinta geração da guerra de 1948, que estão há sete décadas relegados ao status de refugiados. A política atual da UNRWA é que qualquer reassentamento de refugiado palestino interferiria com o “direito de retorno” as aldeias de 1948.

Ao adotar a postura dos maximalistas árabes, a UNRWA desrespeita seu compromisso com o futuro dos refugiados palestinos de 1948 e seus descendentes.

  1. Exigir uma auditoria do orçamento de US$ 1,5 bilhão que flui de 68 países e 33 organizações não governamentais. Isso trataria de relatórios documentados de desperdício de recursos, duplicação de serviços e aplicações para grupos terroristas que agora dominam a população da UNRWA.

Isto representará a agenda do novo Lobby de Tarefas do Knesset de Israel para a mudança de política da UNRWA, presidido pelo membro do paralemto, Sharren Haskel, que realizará sua próxima sessão em janeiro.

David Bedein, que produziu 20 filmes sobre UNRWA, filmados nos locais da agência, dirige a Agência de Notícias e Recursos de Israel e o Centro Nahum Bedein Pesquisas Políticas do Próximo Oriente.

Related posts

UNRWA motins pelo direito de retorno na madrugada de 2022

David Bedein

Por que os palestinos estão ganhando a guerra midiática: uma entrevista com David Bedein para a revista Reform Judaism

Center for Near East Policy Research

Senador Kennedy da Louisana pede responsabilidade nas escolas Palestinas

Center for Near East Policy Research