AWordPressSite

Image default

Da Ucrânia a UNRWA: Inteligência russa fomenta guerra nos campos de refugiados árabes

Por favor, leia atentamente:

Sob a orientação da KGB, a ideia dos refugiados árabes como um povo distinto se consolidou.

A KGB gerou um enredo que hoje em dia é muitas vezes tido como factual:

  1. A OLP, desde o início, expressou a vontade dos árabes que vivem na região geográfica da Palestina, ao invés da vontade de Moscou que era de criar divisões e derrubar a democracia.
  2. Palestina não é apenas o nome de uma região geográfica, mas o lar de um povo distinto e indígena, os árabes palestinos. Seus cidadãos judeus são colonizadores de algum país estrangeiro não identificado.
  3. Israel pratica o apartheid no qual os cidadãos árabes de Israel têm sua mobilidade econômica, política e social impedida.
  4. A pobreza árabe nos territórios controlados pelos árabes deve-se a Israel, e não aos governos árabe do Hamas e da OLP,

Fonte:

https://unrwa-monitor.com/wp-content/uploads/2022/03/The_KGB_and_Anti-Israel_Propaganda_Operations.pdf

páginas: 163-164

Por que a adoção da OLP russa é relevante hoje?

Desde 24 de fevereiro de 2022, o dia em que o ataque russo à Ucrânia começou, o alto escalão da contrainteligência da OLP está sentado no Kremlin, incitando Moscou. Não por coincidência, a Liga das Nações Árabes, que gerou a Organização de Libertação da Palestina, com o apoio russo em 1964, apoiou a guerra lançada pela Rússia.

Nesse contexto, chegou a hora de prestar atenção ao papel negligenciado da Rússia nas negociações do Oriente Médio.

Em 13 de setembro de 1993, quando os acordos de Oslo foram costurados no gramado da Casa Branca, a  Rússia  sentou-se com os EUA, como fiadores desses acordos, embora nunca tenham sido ratificados pela OLP.

Embora os EUA tenham consistentemente aspirado a desempenhar o papel de um corretor honesto entre as partes em conflito, a Rússia não agiu sob tais pretensões.

Em vez disso, a Rússia apoia consistentemente o entendimento da OLP sobre os acordos de Oslo, de que Israel deve se retirar para as linhas do armistício de 1949, cancelar a anexação da Cidade Velha de Jerusalém e do Golã e reconhecer o “direito de retorno”

A Rússia agora procurará melhorar sua imagem

Que melhor maneira de assumir uma postura heroica do que afirmar-se como garantidora da paz no Oriente Médio, apoiando as demandas da OLP?

A OLP não apenas acolheria tal iniciativa russa “pela paz”, como tal movimento russo seria contemplado com apoio da ONU e da UE.

No entanto, seguindo o precedente da Ucrânia, podemos esperar que os russos ajam com a força das armas para mostrar seu apoio às demandas da OLP.

Related posts

No Oriente Médio Refugiados

Fabio Schuchmann e Gabriela Izawa

Confrontando a Alemanha com as indiscrições da UNRWA

Center for Near East Policy Research

Carta para o Secretário Geral da ONU, Sr. António Guterres Por Ana Luisa Benoliel, Fábio Schuchmann e Gabriela Izawa

Center for Near East Policy Research